Noticías

Mulheres na linha de frente da pandemia: elas comandam pesquisas, projetos e setores de assistência na área da saúde

Em alguns hospitais, proporção de colaboradoras chega a 85% do quadro

As mulheres são maioria na linha de frente do combate à pandemia do coronavírus. Esse é o cenário visto numa das áreas mais afetadas pela Covid-19: a da saúde. No Instituto Butantan, um dos principais do país e responsável pela produção da Coronavac, 71% dos pesquisadores são mulheres. Essa proporção se repete em muitos centros de pesquisas espalhados pelo país. Em Curitiba (PR), os estudos sobre a Covid-19 realizados pelo Centro de Estudo, Pesquisa e Inovação (CEPI) dos hospitais Marcelino Champagnat e Universitário Cajuru também são coordenados por mulheres. 

À frente das pesquisas dos hospitais e da PUC-PR que são dedicadas a compreender o comportamento do novo coronavírus e sua atuação de forma sistêmica a partir dos dados coletados de pacientes internados, está a fisioterapeuta e doutora em Ciências da Saúde, Cristina Baena. “Nós conseguimos uma integração muito rápida quando iniciamos as pesquisas. Realizamos conexão com laboratórios de várias universidades e também do exterior. Entender essa nova doença e suas extensões tem nos ajudado a prestar o atendimento mais eficiente à população”, afirma. 

A cirurgiã e coordenadora do CEPI, Anna Flávia Miggiolaro, iniciou as pesquisas realizando biópsias microinvasivas de pulmão e coração de pacientes que faleceram e que os familiares permitiram o estudo. “As pesquisas continuam agora com uma relevância tão grande quanto no início da pandemia. Acredito que ainda vamos conviver com a doença por um bom tempo, até ter o acesso à cura e ao manejo adequado. Fazer parte disso é relevante para minha vida profissional, como médica e também para a pessoal. Essas oportunidades me fizeram valorizar ainda mais o ser humano”, ressalta a médica. 

Assistência

Em número absolutos, o número de mulheres que atuam nos dois hospitais também é muito superior ao de homens. No Marcelino Champagnat, 86% dos profissionais são mulheres e no Cajuru, o número é bastante semelhante, apenas 16% do quadro de colaboradores são do sexo masculino. “Tradicionalmente a área assistencial de enfermagem e técnicos é composta por mais mulheres. Mas notamos que esse número cresce também na área médica e de outras especialidades”, conta a gerente assistencial do Hospital Marcelino Champagnat, Jhosy Gomes.

Foram principalmente elas que estiveram à frente dos atendimentos a pacientes na pandemia, nas mais variadas especialidades. Seja nas áreas dedicadas a pessoas com Covid-19 e também nas de trauma, já que o Cajuru se tornou referência nesse atendimento na cidade, enquanto outros hospitais da capital ficaram dedicados ao coronavírus.

As adaptações trazidas pela pandemia foram feitas nos dois hospitais em paralelo à implantação de um novo plano diretor do complexo hospitalar. E a gestão do projeto, engenharia e arquitetura também conta com mulheres no comando. As mudanças permitirão, por exemplo, a criação de novos leitos de UTI. “O nosso grande desafio é realizarmos todas essas mudanças com os hospitais funcionando. Não podemos deixar diminuir a capacidade de atendimento, ainda mais nesse momento de pandemia”, explica Elaine Costa, gerente do projeto. 

Voluntariado

O profissionalismo, a solidariedade e o comprometimento das mulheres também estão presentes no voluntariado dos hospitais. Com participação nos grupos de palhaços, apresentações musicais e confecção de máscaras e bonecas de pano, as mulheres representam mais de 70% dos voluntários do Hospital Universitário Cajuru. A coordenadora do voluntariado, Nilza Maria Brenny, afirma que essa é uma missão única e de extrema importância para os pacientes. “Ter um voluntário para conversar, dar atenção e fazer rir, é um diferencial na recuperação dos pacientes. Com a pandemia, as visitas ficaram mais restritas e eles precisam desse contato, nem que seja a distância, por meio de um robô que leva os voluntários aos pacientes em um tablet”, afirma. 

Apesar das dificuldades para manter o trabalho voluntário durante a pandemia, Nilza afirma que houve um maior interesse por parte das mulheres para ajudar e apoiar o hospital. “Com a necessidade de usar máscaras somada à falta de recursos, muitas costureiras se disponibilizaram para confeccionar os produtos de forma voluntária e em casa. O hospital doava o material e elas produziam. Foram mais de 76 mil máscaras distribuídas para pacientes e colaboradores do Hospital Cajuru. A união a distância foi tanta, que criamos um novo grupo dentro do voluntariado: as Mãos que Transformam, composto majoritariamente por mulheres”, finaliza.


Compartilhe!